Receba notícias

    • Cadastre seu E-Mail:

      Ver últimos Feeds

 

Frase do dia

Cada sonho que você deixa para trás, é um pedaço do seu futuro que deixa de existir.

(Steve Jobs)

 

Facebook

 

Contato Rápido





 

 

Estatísticas

14/03/2018

  • 16 pessoas foram soltas, 2 ex diretores e 2 ex empresários continuam presos

    Plantão Os Cobras da Notícia - Polícia Federal realiza a maior Operação na história de Cornélio Procópio.

    Polícia Federal pediu a liberdade dos investigados após audiência de custódia realizada em Londrina. Órgão entendeu que grupo não oferece risco às investigações. No total, foram presas 20 pessoas.

    Dezesseis pessoas que foram presas na Operação 14 Bis, que apura o desvio de cerca de R$ 5,7 milhões de recursos públicos no campus da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) em Cornélio Procópio, no norte do estado, foram soltas depois das audiências de custódia, realizadas ainda na terça-feira (13).

    A operação prendeu 20 pessoas e cumpriu 25 mandados de busca e apreensão na terça-feira.

    Os investigados prestaram depoimento, e a Polícia Federal (PF) entendeu que eles não oferecem risco às investigações. Por isso, a própria PF pediu a liberdade do grupo. O Ministério Público Federal (MPF) concordou, e o juiz deferiu o pedido.

    A Justiça não impôs medidas cautelares para os que foram soltos, no entanto eles continuam sendo investigados.

    Quatro suspeitos presos, entre eles dois ex-diretores da instituição e dois empresários, continuam detidos na sede da Polícia Federal em Londrina. Eles passaram por audiência de custódia, mas as prisões temporárias, que tem duração de cinco dias, foram mantidas.

    A operação foi deflagrada em Cornélio Procópio, Uraí, Nova América da Colina e Maringá.

    Também foram sequestrados e indisponibilizados bens dos investigados no valor de até R$ 5,7 milhões, que é o total, apurado até esta terça-feira, de desvios na instituição.

    A universidade foi um dos alvos de busca e apreensão, policiais apreenderam contratos de empresas que prestaram serviços à instituição.

    Resultado de imagem para imagem cornélio procópio

    Operação assusta Cornélio Procópio.

    Resultado de imagem para imagem,campus da universidade federal de cornélio procópio

    Unversidade Federal, apesar do escândalo, rítimo é normal.

    Polícia Federal, a maior opoeração da história realziada em Cornélio Procópio

    A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira, 13, o ex-diretor-geral do Câmpus Cornélio Procópio da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Devanil Antônio Francisco, sob suspeita de enriquecimento ilícito. Ele é um dos principais alvos da Operação 14 Bis, que investiga desvios milionários dos cofres da Universidade por meio de fraudes em licitações e contratos de prestação de serviços.

    Devanil Francisco é acusado de ter amealhado um patrimônio extraordinário durante o período em que exerceu as funções no Câmpus. Os investigadores informaram que ele montou uma empresa, a 14 Bis, que deu nome à operação, exclusivamente para administrar tantos bens, entre os quais dois edifícios em Cornélio Procópio (PR), um com 32 quitinetes e outro com 26, que eram alugados para os próprios alunos da Universidade.

    Além dos bens imóveis, Devanil Francisco, segundo a PF, é sócio na construção de um terceiro prédio de luxo, em parceria com um empresário envolvido nas fraudes, na mesma cidade situada a 400 quilômetros da capital, Curitiba.

    A Operação 14 Bis, deflagrada pela PF em parceria com a Procuradoria, a Controladoria-Geral da União e a Receita, prendeu ao todo 20 investigados, em regime temporário por cinco dias, e realizou buscas em 26 endereços – além de joias, carros de alto padrão e três lanchas, os federais apreenderam 27 mil dólares.

    Outro ex-servidor da Universidade foi preso: Sandro Rogério de Almeida, que ocupou o cargo de diretor de Planejamento e Administração do Câmpus Cornélio Procópio.

    As fraudes foram investigadas também por meio de auditoria interna da Universidade, que demitiu Devanil Francisco e Sandro em 2016. A PF informou que a Reitoria da Universidade colaborou decisivamente com as investigações.

    Levantamento preliminar põe sob suspeita contratos que somaram gastos de R$ 5,7 milhões.

    Segundo a PF, os desvios foram constatados em todos os contratos firmados por Devanil Francisco e Sandro no período em que ocuparam cargos estratégicos no Câmpus, pelo menos por dois anos e meio.

    A investigação descobriu a atuação de dois núcleos de empresários, um deles fazia uso de pessoas jurídicas de fachada com vários “laranjas”, inclusive seus próprios familiares, que emprestavam seus nomes. As empresas contratadas eram praticamente do mesmo ramo – prestação de serviços gerais, conservação predial e limpeza.

    “A fraude era generalizada”, afirmou o delegado-chefe da PF de Londrina, Nilson Antunes da Silva.

    A PF, a Procuradoria, a CGU e a Receita constataram que os ex-dirigentes do Câmpus direcionavam as licitações para contratação das empresas. “Supervalorizavam os contratos de limpeza, de mão de obra, de prestação de serviços e de manutenção e também no fornecimento de peças e combustíveis.”

    A PF informou que “abriu o leque” das investigações no âmbito da Operação 14 Bis e descobriu que o mesmo grupo de empresários que se infiltrou no Câmpus estaria ligado a contratos milionários com outros órgãos públicos federais.

    A PF não revelou os nomes dessas repartições.”São órgãos da administração pública federal de grande porte”, destacaram os federais.

    O superintendente da CGU no Paraná, José William Gomes da Silva, detalhou que as fraudes ocorriam até em contratos de manutenção do ar condicionado. “Por exemplo, no processo de manutenção de 180 aparelhos de ar condicionado, muitas vezes eram trocadas 90 peças, mas a maioria dos equipamentos era nova. Isso gerava um superfaturamento e despesas que não correspondiam ao objeto daquele tipo de licitação.”

    José William destacou que “o controle interno não é absoluto”. “Não é possível saber, muitas vezes, que o gestor (do órgão público) está burlando as regras, se há um conluio por trás, se ele é associado. Muitas vezes o controle interno não tem o domínio dessas licitações. Quando acionado, o controle funcionou Eles (Devanil e Sandro) foram demitidos em 2017. O ser humano é complicado, sempre vai encontrar uma maneira de burlar as regras da administração pública.”

    Defesa

    A universidade se manifestou por meio de nota. “Na manhã desta terça-feira, dia 13, o Câmpus Cornélio Procópio da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) foi alvo de operação conjunta da Polícia Federal (PF), Ministério Público Federal (MPF), Receita Federal e Controladoria Geral da União (CGU).”

    “Dois ex-servidores da Instituição foram presos. A acusação é de fraudes em licitações e contratos no âmbito do Câmpus.”

    “A Reitoria da UTFPR esclarece que, tão logo recebeu as denúncias de irregularidades no Câmpus, no segundo semestre de 2015, deu início às apurações por meio da Auditoria Interna da Instituição e afastou os servidores envolvidos nas acusações.”

    “A partir das investigações internas, foram abertas sindicâncias e processos administrativos, que resultaram nas demissões do então diretor de Planejamento e Administração do Câmpus Cornélio Procópio, Sandro Rogério de Almeida, e do então diretor-geral do Câmpus, Devanil Antonio Francisco.”

    “Cabe destacar, portanto, que a UTFPR tomou todas as providências de sua competência para que o patrimônio e a moralidade da administração pública fossem preservados.”

    “A Universidade reitera que continuará contribuindo para que as investigações sejam realizadas de forma rápida, efetiva e dentro dos preceitos do Estado Democrático de Direito.”

Cometários

Postagem em questão: “Plantão Os Cobras da Notícia - Polícia Federal realiza a maior Operação na história de Cornélio Procópio.”

 

  1. Ainda não temos comentários nesta matéria, seja você o primeiro!!

Enviar Comentário
Nome (obrigatório)
E-Mail (não será publicado) (obrigatorio)
Cidade (obrigatorio)
 
 

 

Veja também

[x] Fechar