Receba notícias

    • Cadastre seu E-Mail:

      Ver últimos Feeds

 

Frase do dia

Dar menos que seu melhor é sacrificar o dom que você recebeu.

(Steve Prefontaine)

 

Facebook

 

Contato Rápido





 

 

Estatísticas

05/02/2018

  • Assassinos em cana.

    Plantão Os Cobras da Notícia - Envolvidos na morte do motorista do Uber são apresentado

     

    Fonte: Tarobanews

    Envolvidos na morte do motorista do Uber são apresentados

    Assassinos presos em Londrina

    Os dois envolvidos na morte do motorista de Uber, foram apresentados na 10ª Subdivisão Policial na manhã desta terça-feira (06). 

    Cristian Sartório, 24 anos,  Wesley Barbosa Almeida, 23, são apontados pela Polícia Civil como autores da morte de Vanderlei Teixeira da Silva, 23 anos, que foi morto a facadas durante um assalto. O crime aconteceu na madrugada de domingo, na avenida Duque de Caxias no centro de Londrina.

    Poucas horas depois do assassinato, os investigadores da furtos e roubos já tinham desvendado o caso.

    Cristian confessou envolvimento no latrocínio, mas nega que tenha desferido os golpes contra a vítima. Ele foi preso em Cambé com os objetos levados do motorista. O rapaz se diz arrependido de ter tirado a vida de um jovem trabalhador.

    As investigações realizadas pelo setor de furtos apontaram Weslei como o autor das facadas contra Vanderlei. 

    (Colaboração: Júlio Moura e Cid Ribeiro)

05/02/2018

05/02/2018

  • Entrevista do Presidente do TSE Gilmar Mendes.

    Bastidores do Poder - Lula não é um ‘supercidadão’, mas também não é um ‘cidadão menor’, diz Gilmar Mendes

    Sobre a concessão de auxílio-moradia a juízes, o magistrado, que deixa nesta terça-feira a presidência do TSE, disse que a questão é apenas a ponta do ‘iceberg’, já que há casos em que juízes ganham até o triplo do teto do Judiciário.

    Fonte: CBN

    Gilmar Mendes é presidente do TSE e ministro do STF. Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil (Crédito: )

    Gilmar Mendes é presidente do TSE e ministro do STF. Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

    Em entrevista ao Jornal da CBN, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, afirmou que o ex-presidente Lula não é um supercidadão, mas tem o direito de usar todos os recursos disponíveis como qualquer pessoa. O ex-presidente foi condenado pelo juiz Sérgio Moro, na Lava jato, no processo que investiga a posse do tríplex do Guarujá, no litoral de São Paulo. Ele teve a condenação confirmada em segunda instância pelo Tribunal Regional da Quarta Região, em Porto Alegre, que ainda aumentou a pena para 12 anos e três meses de prisão. 

    Gilmar Mendes discordou da presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, que afirmou que o tribunal vai se apequenar ao entrar nesta discussão provocado por um caso específico do ex-presidente Lula. 

    “Ou o Tribunal vai discutir a questão que está posta na relatoria do ministro Marco Aurélio, ou, certamente, vai discutir isso num habeas corpus do próprio Lula. O (ex) presidente Lula não é um ‘supercidadão’, mas também não é um ‘cidadão menor’. Ele tem o direito de pedir que a sua situação seja julgada pela turma, pelo pleno. Ele também não pode ser discriminado por ser Lula”, avaliou o ministro do STF. 

    O magistrado, que deixa hoje a presidência do Tribunal Superior Eleitoral, afirmou ainda que não há espaço para questionar a Lei da Ficha Limpa a não ser que o próprio acórdão criminal seja impugnado. Gilmar Mendes vai transmitir o comando do tribunal ao ministro Luiz Fux. 

    Sobre a concessão de auxílio-moradia a juízes, o magistrado, disse que a questão é apenas a ponta do ‘iceberg’, já que há casos em que juízes ganham até o triplo do teto do Judiciário.

    “As situações mais esdrúxulas mostram que ‘ah, bom. Nós estamos ganhando pouco. Não houve revisão, então vamos dar um jeito’. Dar um jeito é o que? Pedir uma liminar aos colegas? Isso compromete a magistratura e é um problema de responsabilidade fiscal”.

    Ao destacar os principais desafios das eleições de 2018, ele elegeu as ‘fake news’, notícias falsas que circulam na internet e o financiamento de campanha. Segundo ele, o fim da participação das empresas pode gerar uma ‘enxurrada de caixa dois’.

[x] Fechar