Receba notícias

    • Cadastre seu E-Mail:

      Ver últimos Feeds

 

Frase do dia

Para viver intensamente é necessário conviver com os riscos.

(Roberto Shinyashiki)


Publicidades

 

Contato Rápido





 

 

Estatísticas

Postado dia 15/09/2018 às 10:04:49

  • Gaeco vai recorrer.

    Prisão do ex Governador- Gaeco questiona decisão de Gilmar Mendes e diz que grupo de Richa tentou coagir testemunhas



Redação Blog do Gildo Alves

 

da Banda B

O Ministério Público do Paraná (MPPR) afirmou, neste sábado (15), que vai examinar a possibilidade de entrar com recurso para reverter a decisão do ministro Gilmar Mendes, que concedeu habeas corpus ao ex-governador Beto Richa (PSDB). O procurador de Justiça e coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Leonir Batisti, disse que o órgão não concorda com a soltura do investigado, que teria sido realizada por um ministro “escolhido por estratégia duvidosa”.

Segundo ele, a decisão de Mendes é preocupante porque o grupo criminoso alvo da operação Rádio Patrulha, pela qual Richa foi preso, chegou a procurar, no mês passado, possíveis testemunhas para coagi-las. “Em face de informação colhida pelos investigados, de que havia em curso uma apuração dos fatos, eles entraram em contato com pessoas que poderiam testemunhar contra eles para que omitissem a verdade ou mentissem. Isso aconteceu especialmente no caso do pagamento do valor de R$ 1,4 milhão, em dinheiro vivo, na permuta de um apartamento em Curitiba, em que um corretor de imóveis foi abordado pelos suspeitos”, disse Batisti.

 

O coordenador ainda ressaltou que o MPPR e o Gaeco agiram “do modo mais correto e profissional possível” durante as investigações, sem nenhuma tentativa de perseguição política. “Embora fôssemos conscientes da situação dos investigados, nós entendemos que deveríamos manter o que a legislação estabelece, que é agir quando se tem o conhecimento de um fato e apurá-lo. Não há vedação legal para um trabalho de investigação ou prisão em período eleitoral”, completou.

Ele comentou que, na visão do Gaeco, a operação poderia ser igualmente criticada ou prejudicada se fosse realizada fora do período eleitoral. “Se fosse depois e o ex-governador tivesse vencido a eleição para o Senado, ouviríamos que estaríamos adotando uma ação para enfraquecê-lo e prejudicá-lo. Se, por outro lado, não fosse eleito, diriam que estaríamos nos aproveitando para persegui-lo em uma situação desconfortável”.

Recurso
Preso na terça-feira (11), Beto Richa foi solto na madrugada deste sábado por decisão de Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Agora, o MPPR vai avaliar as hipóteses de recurso em relação ao habeas corpus que tirou o ex-governador da prisão. “O pedido foi feito especificamente a esse ministro, que tem uma posição já sabida devido a entrevistas que concedeu à imprensa anteriormente. Esse habeas corpus é tão abrangente que pode causar problemas em casos extremos”, concluiu.

Defesa de Richa
Ao deixar o regimento da Polícia Montada, em Curitiba, onde estava preso, Richa declarou que vai retomar sua candidatura ao Senado nas eleições 2018 e que a prisão contra ele foi uma “crueldade”.

“O que fizeram comigo foi uma crueldade enorme, não merecia o que aconteceu, mas estou de cabeça erguida e continuo respondendo todas as acusações sem a menor dificuldade”, disse.

O tucano foi preso acusado de chefiar um esquema de desvios em um programa de manutenção de estradas rurais enquanto era governador do estado. A ex-primeira-dama Fernanda Richa, que também foi detida, recebeu o alvará de soltura antes do marido e foi solta por volta da meia-noite.

Fonte: Banda B



Compartilhe esta matéria!