Receba notícias

    • Cadastre seu E-Mail:

      Ver últimos Feeds

 

Frase do dia

Coragem é o que é preciso para ficar de pé e falar; coragem é também o que é preciso para sentar e ouvir.

(Winston Churchill)


Publicidades

 

Contato Rápido





 

 

Estatísticas

Postado dia 08/10/2019 às 23:57:02

  • Ex Presidente Lula e a conta do triplex

    Lula pede suspensão de cobrança de R$ 4,9 milhões até o fim da tramitação de processo do triplex Pedido foi feito nesta segunda-feira (7) pela defesa do ex-presidente; valor cobrado pela Justiça Federal é a soma da multa e da reparação de danos na condenação do petista.



Redação Blog do Gildo Alves

 

Ex Presidente Lula e a conta do triplex.

O advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Cristiano Zanin, pediu nesta segunda-feira (7) a suspensão da cobrança da multa e da reparação de danos impostas ao petista no processo do triplex em Guarujá (SP) até o trânsito em julgado da ação - quando não há mais possibilidade de recursos.

O valor foi atualizado para R$ 4,9 milhões, em setembro. Nessa ação, Lula foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A denúncia aponta que o ex-presidente recebeu o imóvel como propina da construtora OAS para favorecer a empresa em contratos com a Petrobras. Ele diz ser inocente.

O advogado alega que existem "obscuridades que precisam - e devem - ser supridas" em um despacho da juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara da Justiça Federal, em Curitiba, responsável pela execução penal do ex-presidente, no qual, segundo ele, determina o depósito do valor em conta judicial.

Na decisão, a juíza afirma que a Justiça tem intimado os condenados ao pagamento de multa, reparação de danos e custas processuais. "Face ao caráter provisório da execução, contudo, os valores eventualmente pagos permanecem depositados em conta judicial para destinação após o trânsito em julgado", diz.

Conforme o pedido do advogado, os bens de Lula foram constritos pela Justiça "em valor mais do que suficiente para a garantir a execução" da condenação transitada em julgado. Zanin diz que há entendimento favorável ao pedido no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Fonte: G1



Compartilhe esta matéria!